Blog Conexos
Imagem de

Preço de Exportação: 7 dicas para entender os custos

#Você sabe quais são os custos que entram no Preço de Exportação? Confira agora conosco como calcular todos esses custos!

Você sabe quais são os custos que entram em um processo de criação do Preço de Exportação? Pensar no Preço de Exportação de um produto não causa tanto sofrimento como calcular o preço de Importação, em que precisamos pagar IPI, PIS, Cofins e ICMS.

Contudo, existem outros custos diretamente ligados à elaboração do Preço de Exportação que precisam ser conhecidos e calculados, do contrário, você será surpreendido com valores que poderão comprometer sua margem de lucro. 

  • Embalagem
  • Tributos
  • Frete internacional
  • Despacho Aduaneiro
  • Terminal de Embarque
  • Emissão e envio de documentos 
  • Conclusão

Vamos detalhar aqui os principais custos no preço da exportação que podem lhe causar grandes problemas. Confira agora conosco como calcular todos esses custos! 

Imagem de <a href="Img ilustrativa Preço de Exportação"</a>
Navio carregado de contêineres sob o por do sol

Preço de Exportação: o que são custos diretos?

A composição do preço de Exportação compreende principalmente custos diretos, ou seja, aqueles que afetam diretamente o preço do produto, como o transporte. 

Mas assim como no comércio doméstico e até informal, também existem os custos indiretos, que são aqueles necessários para o pleno funcionamento da cadeia produtiva, embora não estejam diretamente relacionados ao produto final, como custos de energia elétrica e manutenção preventiva.

Importante deixar isso claro pois aqui trataremos apenas dos custos diretos! E o que são custos diretos? São custos que existem especificamente para que o embarque do produto para o exterior aconteça.

A seguir, confira os custos diretos para calcular o Preço de Exportação:

Embalagem

Trata-se de um custo importante a ser analisado na composição do preço de Exportação, pois muitas vezes pode acontecer da embalagem comercializada no Brasil não ser aceita por outros países.

Um dos principais requisitos é quanto ao idioma – se a descrição do seu produto está apenas em português este provavelmente será um ponto de atenção que o importador estrangeiro poderá solicitar a modificação.

O inglês e o espanhol são os idiomas mais comuns de serem inseridos nas embalagens de produtos exportados.

Para acomodação da carga em contêineres, paletes ou caminhões a embalagem também deverá ser reforçada para que possa suportar o trajeto.  

A embalagem deverá proteger o material durante o percurso, minimizando as chances de danos causados pelo transporte (lembrando que no transporte marítimo existe também a preocupação relacionada à oxidação). 

Em se tratando de madeira, esta sempre deverá ser fumigada (um processo de eliminação de pragas exigido internacionalmente nas operações de compra e venda entre países): um custo extra, obviamente, pois o valor do palete fumigado é mais alto que o palete comum.

Tributos

As Exportações são altamente impulsionadas pelo governo através de incentivos tributários, afinal significam dólares entrando no país e uma balança comercial favorável, de modo que IPI, PIS, COFINS, ICMS não são aplicados. 

No entanto, em alguns raros casos (como armas e cigarros) será cobrado o Imposto de Exportação. Sim, ele existe, mas como falamos, a lista é enxuta.

Aqui você pode conferir mais detalhes sobre: Imposto de Exportação: como funciona a cobrança? – Blog Conexos

Frete Internacional

O Frete Internacional apenas irá compor o preço de Exportação se o Incoterm negociado trouxer consigo essa condição (você pode conferir esse assunto na íntegra aqui: Incoterms: Conheça como funciona). 

Ou seja, se você vendeu nos Incoterms “E” ou “F” não será necessário incluir e gerenciar o frete internacional, ele será por conta do importador/comprador, portanto o preço do produto será menor. 

Entretanto, se na negociação ficou definido que o Incoterm a ser utilizado é um “C” ou “D”, este custo e gestão será de sua responsabilidade (enquanto exportador).

O Frete Internacional é um custo alto em qualquer modalidade, seja rodoviário, aéreo ou marítimo (pois é, nem só de contêineres a exportação marítima é feita, existem os embarques de cargas-projeto em navios BreakBulk em que o preço geralmente é cobrado por tonelada, o que pode fazer um frete desses passar facilmente dos cem mil dólares). 

Portanto, a escolha correta do modal, uma boa negociação e um bom Agente de Carga (ou Armador) farão total diferença neste custo que de maneira nenhuma deve ser negligenciado, pelo contrário: pode ser considerado o principal custo direto em determinados casos.

Despacho Aduaneiro

Para todos os processos de Exportação há a necessidade de pagamento dos honorários do Despachante Aduaneiro pelo serviço prestado naquele determinado embarque. 

Este serviço pode ser mínimo, apenas o (jamais simples) registro da DUE, ou máximo, como o auxílio na complexa tarefa de classificação fiscal

Quanto maior o escopo da prestação de serviços maior o valor, logicamente, contudo, mensurar o Despachante Aduaneiro apenas em valores é um erro: opte sempre por alguém idôneo e com uma boa reputação, afinal ele representará a sua empresa perante a Receita Federal e outros órgãos envolvidos.

Carregamento

Quando o Incoterm sinalizar que é responsabilidade do exportador entregar a carga no terminal alfandegado, seja um Porto, Aeroporto ou Fronteira, deve-se contratar uma transportadora nacional para que ela efetue este transporte

Para os embarques aéreos e marítimos em muitos casos é necessário agendar previamente a entrega da mercadoria. No caso da Exportação rodoviária, a transportadora a entrar na Aduana da fronteira deverá estar habilitada para tal.

Terminal de Embarque

Após a contratação do Frete Internacional, teremos o Booking ou Reserva de Praça (você pode encontrar todos os detalhes aqui: Arquivos Comércio Exterior – Blog Conexos). 

No Booking constará qual o local de embarque onde a mercadoria deverá ser entregue. É recomendável e imprescindível negociar previamente com o terminal os valores envolvidos, antes da efetivação da Exportação, do contrário, o terminal poderá aplicar os valores de tabela, que costumam ser altos e exigidos à vista.

Dependendo do modal de transporte os custos e cuidados são diferentes, vamos ver cada um deles:

Marítimo, para contêineres

  • Se a carga já chega unitizada dentro do contêiner: haverá custo de armazenagem, THC, lacre, scanner, surveyor (empresa responsável em acompanhar a ovação do contêiner, tirar fotos e enviar um relatório para o exportador – é um custo adicional, porém para algumas empresas é importante por questões de Compliance e/ou OEA ou por exigência do cliente estrangeiro), entre outros que podem ser solicitados.
  • Se a carga chega para ser armazenada no porto de embarque ou REDEX: haverá o custo na ovação (ou unitização), se for ovada em um REDEX haverá ainda o custo do transporte até o porto de embarque, THC, lacre, scanner, surveyor, entre outros que poderão ser solicitados.

Marítimo, cargas a granel ou projeto. 

É necessário contratar uma equipe que será responsável por disponibilizar o pessoal que fará o carregamento no porão do navio (em turnos); geralmente as empresas REDEX disponibilizam essa opção de serviço. 

Nesse tipo de embarque é importante ficar atento ao período de carregamento contratado, pois em ocorrendo qualquer atraso o armador pode e vai cobrar além do que foi negociado.

Aéreo

A armazenagem é tabelada nos aeroportos, cada aeroporto tem a sua tabela e é importante ter muita atenção nos chamados “períodos de armazenagem”. Por exemplo, um primeiro período de 3 dias é cobrado um certo percentual, no 4º dia este percentual aumenta. 

A ideia dos aeroportos é evitar que as cargas permaneçam armazenadas muito tempo. 

Esse pagamento é feito, geralmente, pelo Agente de Carga para que a carga possa embarcar, e depois ele repassa esse custo ao exportador.

Rodoviário. 

Geralmente a Aduana brasileira não apresenta grandes problemas e os casos de Canal Vermelho são rapidamente solucionados

Porém se o Incoterm é na condição “C” ou “D” e a carga acaba permanecendo mais tempo na Aduana de destino, certamente haverá a cobrança de estadias por parte da transportadora

É muito importante mapear as etapas do processo rodoviário para evitar este tipo de custo, pois espera-se que a carga cruze as aduanas sem parar mais tempo que o necessário. 

Emissão e envio de documentos 

Os documentos exigidos para o embarque, se necessários e quando solicitados pelo cliente, deverão ser enviados por remessa expressa, o famoso envio via courier

Alguns documentos ainda devem ser submetidos ao cliente em sua forma original e impressa, tais como Conhecimento de Embarque, Certificados de Origem (exceto Argentina, Paraguai e Uruguai que emitem eletronicamente) e outros documentos que o cliente pode exigir que sejam assinados e carimbados, a depender da legislação do país dele.

Para contratar este serviço será necessário ter um cadastro prévio nestas empresas, como a DHL e a Fedex (as mais conhecidas) e os valores variam conforme a distância, volume e peso da remessa, informações facilmente consultáveis em seus sites.

Conclusão

Para um cálculo do preço de Exportação mais acurado possível é importante que a área comercial de sua empresa esteja alinhada com quem executa a Exportação e a Logística, pois os custos podem variar muito de um embarque para o outro. 

Planejamento e conhecimento dos custos são, sem dúvida, o que vão definir o sucesso do correto preço de Exportação.

Planilha Gratuita de Cálculo de NFe de Importação
Material Conexos: Planilha NF-e de Importacao
Planilha de Cálculo NF-e de Importação

E para te ajudar a colocar em prática a otimização da sua contabilização de importação, disponibilizamos gratuitamente nossa PLANILHA DE CÁLCULO NF-e de Importação. Faça o download gratuitamente!

mariana.preti@conexos.inf.br

Receba grátis o melhor conteúdo de COMEX!

Uma newsletter intuitiva e completa sobre comércio exterior e logística.

Adicionar Comentário