Balança comercial: por que ela é tão importante para a economia?

Tempo de leitura: 3 minutos

Um bom profissional de comércio exterior precisa ter conhecimento sobre várias questões técnicas e práticas, principalmente sobre alguns aspectos que podem influenciar diretamente no resultado do trabalho. Um deles é a balança comercial — e o equilíbrio entre importações e importações.

No artigo de hoje, explicaremos o conceito e qual é a relação dele com empresas e a economia do país. Continue acompanhando a leitura e saiba mais sobre o assunto.

Afinal, o que é a balança comercial?

Balança comercial é um termo muito utilizado na economia para se referir à diferença entre as exportações e importações de um país. Se as exportações superam as importações, o resultado é positivo, chamando-se superávit. Quando ocorre o contrário — se a nação importa mais do que se exporta — o resultado é negativo, conhecido como déficit.

Qual é a relação dela com as empresas de comércio exterior?

Empresas de comércio exterior influenciam diretamente nos resultados da balança comercial, visto que geram grandes volumes de importação e exportação. O resultado final dessas transações que determina se haverá déficit ou superávit.

Como o saldo positivo é benéfico para o país — haja vista que isso é sinônimo de mais recursos entrando —, é interessante que as empresas de exportação tenham resultados melhores que as de importação, já que atraem recursos.

Caso contrário, se houver déficit recorrente, o governo pode adotar medidas para reverter a situação e conseguir gerar superávit. Entre as principais, estão:

  • aumento dos impostos sobre produtos importados;

  • barreiras alfandegárias;

  • protecionismo às empresas nacionais.

Dessa forma, inibe-se os gastos na hora de importar e o consumo interno é estimulado, melhorando o saldo da balança comercial.

Quais impactos a balança comercial gera na economia do país?

O Produto Interno Bruto (PIB) pode ser definido como o montante de tudo que é produzido e comercializado no país em um período de tempo. Esse valor é composto por quatro elementos básicos:

  1. os gastos do governo;

  2. o consumo da população;

  3. investimentos privados;

  4. o saldo das negociações que são realizadas com o exterior.

Quando esses pontos estão em crescimento, o resultado é favorável para o PIB. Isso quer dizer que se a balança comercial apresentar um superávit na temporada, a economia interna sofrerá influência positiva, ou seja, se existe melhora nesse indicador, é sinal de que mais recursos estão entrando no país, em decorrência do volume de vendas feitas para outros países.

Com isso, a economia cresce, gera-se mais emprego e, no longo prazo, consegue-se mais investimentos em infraestrutura de transporte (necessária para dar vazão ao volume de cargas movimentadas, evitando gargalos), além de haver maiores estímulos no desenvolvimento de tecnologias, entre outros benefícios.

Por outro lado, se os fatores não geram resultados positivos — como a queda no consumo, falta de investimentos da iniciativa privada, gastos excessivos do governo e déficit na balança —, a economia fica prejudicada e o governo precisa elaborar estratégias para incentivar a melhora.

Acompanhar a balança comercial ajuda a compreender qual é a previsão do comportamento da economia nos próximos períodos, ao mesmo tempo em que permite identificar se as empresas de comércio exterior poderão ser prejudicadas — principalmente as que trabalham com importação e podem ter o desempenho freado caso o saldo seja negativo.

Gostou do post de hoje? Então receba mais artigos como esse clicando aqui. Não vamos lotar seu e-mail!