Blog Conexos
importação no Brasil

Você sabe por que a importação no Brasil é tão complexa?

A legislação que regula o processo de importação no Brasil é bastante complicada. Para atender às normas do governo, as empresas que se dedicam à atividade precisam estar constantemente atualizadas e preparadas para enfrentar os desafios da área.

Se você busca mais informações sobre o assunto, encontrou o conteúdo certo! Neste post, você vai entender um pouco mais sobre o cenário brasileiro de importação e saber os motivos que contribuem para agregar complexidade ao processo.

Preparado? Vamos em frente e boa leitura!

Como funciona o processo de importação no Brasil?

No país, o fluxo de importação pressupõe (e exige) uma série de etapas, as quais estão invariavelmente relacionadas a exigências legais, fiscais e tributárias que devem ser seguidas à risca.

Em suma, o procedimento começa com a checagem no SISCOMEX, sistema que rege e documenta as transações internacionais. Dependendo da natureza da operação, o fluxo se desenrola de uma forma específica, demandando o acionamento de órgãos ou a complementação de informações, por exemplo.

Uma vez autorizado, o processo segue com o transporte da mercadoria e sua subsequente admissão no Brasil — fases que, novamente, são validadas por entidades autorizadas e acompanhadas via SISCOMEX.

Quando está na alfândega brasileira, a carga passa pela Conferência Aduaneira e, se regularizada, é encaminhada ao Desembaraço Aduaneiro. Pelo SISCOMEX, o importador verifica a autorização, providencia a documentação e a quitação de impostos e pode, assim, liberar os itens.

importação no Brasil

Quais são os principais problemas da importação no Brasil?

A complexidade do processo é uma das mais recorrentes reclamações — e, muitas vezes, a morosidade pode acabar desestimulando confundindo operadores do segmento.

Dentre os principais problemas da área, despontam:

  • a burocracia, que dificulta desde a compreensão íntegra do fluxo à conclusão efetiva do processo;
  • a alta tributação, que acaba por frear a expansão do segmento e pode inclusive comprometer a saúde financeiras das organizações importadoras;
  • a taxa de câmbio, que não favorece a atividade de importação;
  • a infraestrutura portuária, que torna o processo mais demorado, inseguro e oneroso;
  • a falta de mão de obra qualificada, que interfere na produtividade do negócio e na efetividade das transações.

Como lidar com a complexidades da importação brasileira?

Diante disso, não seria equivocado afirmar que a atividade de importação no Brasil é um grande desafio.

Neste âmbito, o governo certamente desempenha um papel essencial na qualidade e na eficiência das transações internacionais, relacionando-se de forma direta com os aspectos acima explicitados.

Afinal, seja em função da estrita regulação, regida por normas federais, seja por causa das deficiências em infraestrutura, que atrasam o escoamento em portos e rodovias, a missão de desenvolver políticas de incentivo à importação são inerentes à gestão do Estado — e do interesse de todos.

O consumidor final, que se acomoda no extremo da cadeia, não raro é quem mais sofre com as consequências: a escassez de opções e o encarecimento do produto, por exemplo, são resultados frequentes das instabilidades da importação no Brasil.

O conteúdo instigou seu interesse e você deseja continuar aprendendo um pouco mais sobre o assunto? Aproveite para entender como um ERP pode ajudar no processo de importação. Bons negócios!

Receba grátis o melhor conteúdo de COMEX!

Uma newsletter intuitiva e completa sobre comércio exterior e logística.

Adicionar Comentário